Paraná aumenta arrecadação federal, mas retorno para o Estado encolhe Rogério Machado/AEN

Paraná aumenta arrecadação federal, mas retorno para o Estado encolhe Destaque

O Paraná aumenta sua contribuição na arrecadação de tributos federais, mas isso não tem tido reflexo em aumento de repasses do governo federal para o Estado. Ao contrário, as transferências totais da União vêm caindo. No primeiro trimestre, o Paraná gerou R$ 15,2 bilhões para os cofres do governo federal, 3,38% mais do que no mesmo período do ano passado. Mas recebeu R$ 1,2 bilhão no total de repasses federais, 1% menos na mesma base de comparação. 
 
O levantamento foi feito pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), com base nos dados da Receita Federal e do portal transparência do governo federal.
 
O crescimento da arrecadação se deve ao desempenho da economia do Estado, beneficiada, em grande parte, pelo ajuste fiscal feito pelo governo estadual. 
 
“Infelizmente a relação tributária entre o Paraná e a União não é guiada por critérios técnicos e republicanos", lamentou o governador Beto Richa. "Somos permanentemente discriminados pelo governo federal, em grande prejuízo dos cidadãos paranaenses. Se esta relação fosse mais justa, o Paraná teria recebido da União algumas centenas de milhões de reais adicionais neste ano, dinheiro que estaria sendo aplicado em políticas sociais e em obras de infraestrutura", afirmou Richa.
 
Há vários anos o governador tem defendido um relacionamento federativo mais equilibrado entre o Estado e a União, no qual os impostos federais recolhidos pelos trabalhadores e as empresas paranaenses sejam mais justamente recompensados com repasses e transferências de Brasília.
 
CONTRIBUIÇÃO - O Paraná ocupa a sexta posição entre os Estados que mais geraram arrecadação de tributos federais no primeiro trimestre deste ano, com uma participação de 4,95% dos R$ 307,3 bilhões arrecadados no País. Mas é o décimo em repasses totais da União, com 3,77% do total de R$ 32,89 bilhões transferidos pela União aos Estados (sem contar os municípios) no trimestre. 
 
REPASSES - No ranking das transferências da União, o Paraná ficou atrás de São Paulo, que ficou com 9,03% do total; Bahia (8,01%), Rio de Janeiro (5,95%), Distrito Federal (5,86%), Minas Gerais (5,81%) Pernambuco (5,66%), Ceará (5,39%), Maranhão (5,03%) e Pará (4,95%). 
 
Os repasses incluem as transferências constitucionais (Fundo de Participação dos Estados, Fundeb e ressarcimento da Lei Kandir, entre outras) e as discricionárias, que são aquelas em que a União decide onde investir. “Esse descompasso é uma conta ruim para o Paraná, que contribui mais para as contas da União, mas que não tem a mesma contrapartida na hora dos repasses”, afirma o diretor presidente do Ipardes, Julio Suzuki Júnior. 
 
RESILIENTE - Graças ao ajuste fiscal, ressalta o economista, o Paraná tem sido mais resiliente à crise econômica brasileira. “O ajuste fiscal feito pelo governo estadual não apenas beneficiou os municípios, com o crescimento dos repasses de ICMS e IPVA, mas também a União. Com o nível de atividade e renda mais preservados, a arrecadação de impostos federais também cresceu. Ou seja, o Paraná tem feito a sua contribuição, mas isso não volta na mesma proporção”. 
 
Crescimento na arrecadação foi o maior do Sul
 
O Paraná teve o maior crescimento de arrecadação federal entre os Estados do Sul no primeiro trimestre. O avanço, de 3,38%, superou a média brasileira no período, de 1,89%. 
 
Nesse bolo estão computadas receitas como do Imposto de Renda (IR), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), contribuições previdenciárias, da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) e a Contribuição Social para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), dentre outros. 
 
Nos primeiros três meses de 2016, o Paraná ficou atrás apenas de São Paulo, com 42,23%; Rio de Janeiro (16,08%), Distrito Federal (8,79%) e Minas Gerais (5,86%). O Estado ficou praticamente empatado com o Rio Grande do Sul (4,95%), na quinta posição. Os gaúchos, contudo, tiveram arrecadação um pouco superior em valor (R$ 15,22 bilhões). 
 
MARÇO - No período, o destaque ficou por conta do mês de março, quando o Paraná arrecadou R$ 5,1 bilhões em tributos federais, 11,83% mais do que no mesmo período do ano passado. Somente em março, o Estado respondeu por 5,42% dos R$ 94,5 bilhões computados em tributos federais. Foi a quarta unidade da federação com maior participação, atrás apenas de São Paulo, com 42,88%, Rio de Janeiro, com 14,49%, com Distrito Federal, com 9,29%. 
 
Chico Assis

Sobre o Autor

Sou formado em Marketing & Propaganda (2004) e também em Jornalismo (2015) pela Unopar. Trabalho com Comunicação Social há mais de 15 anos e sou  proprietário do Jornal Manchete do Povo.

Itens relacionados (por tag)

  • Show de patinação e solidariedade

    Aplause arrecada mais de 37 toneladas de alimentos

    O circo de antigamente foi o tema do espetáculo Aplause deste ano, realizado nos dias 6 e 7 de outubro, no Ginásio de Esportes Moringão.

    Em 2017, o tradicional espetáculo, teve sua 28ª edição, organizado pela Escola Dancing Patinação. O Aplause Circo foi realizado pelo Ministério da Cultura; promovido pela associação Patins & Ação; patrocinado pelo Colégio Universitário e pelo Moinho Globo; e apoiado pela Prefeitura de Londrina e outras entidades do município.

    Os ingressos foram trocados antecipadamente por 3 kg de alimentos não perecíveis, por pessoa, nos supermercados Muffato e no Colégio Universitário. Em cena, 153 patinadores amadores, de 5 a 21 anos.

    Os patinadores interpretaram os personagens do circo, tais como acrobatas, domadores de leões, focas, bailarina da caixa de música, o pessoal da banda, pipoqueiros, coelhos que saem da cartola, contorcionistas, entre outros. Todas as fantasias foram preparadas e confeccionadas desde o início do ano. “O Aplause desse ano se baseou no circo antigo, aquele lá detrás, onde tudo começou”, diz Juliana Bicalho, organizadora do evento.

    O Moringão ficou lotado! Os alimentos arrecadados foram doados a 43 instituições beneficentes, por meio dos Rotary Clubes de Londrina.

    Em Rolândia, o Rotary Club de Rolândia Caviúna em parceria como Rotary Club de Londrina-Sudeste, entregou aproximadamente 900Kg de alimentos para o Cervin – Centro de Recuperação Vida Nova.

    O espetáculo foi dividido em duas partes e teve cerca de 1h45 de duração. Artisticamente, para os patinadores é uma experiência importante. “Pois é a coroação de muito empenho e treinamento”, diz Juliana. Foram quase 11 mil pessoas no público e mais de 37 toneladas de alimentos arrecadadas. 

    Enviado por: Fátima Cavalaro Gaffo

    materia show patinação manchetedopovo 1materia show patinação manchetedopovo 2materia show patinação manchetedopovo 3materia show patinação manchetedopovo 4materia show patinação manchetedopovo 5materia show patinação manchetedopovo 6materia show patinação manchetedopovo 7materia show patinação manchetedopovo 8materia show patinação manchetedopovo 9materia show patinação manchetedopovo 10materia show patinação manchetedopovo 11materia show patinação manchetedopovo 12materia show patinação manchetedopovo 13

  • CREA se manifesta quanto a fiscalização de obras

    Após acidente em uma obra na semana passada, a reportagem do MANCHETE DO POVO colocou em pauta a cobrança feita por um profissional credenciado como alpinista industrial, pois segundo ele grande parte das obras não respeitam as normas e colocam em perigo os trabalhadores

    Uma queda de cinco metros aconteceu em uma obra em Rolândia quando um homem de 65 anos vistoriava uma construção no centro da cidade.

    Ao publicar a matéria na internet, Marthos Daniel Carvalho Gamba fez críticas à falta de fiscalização afirmando que em sua grande maioria as empresas não contratam trabalhadores cadastrados de acordo com as normas para trabalho em altura. “Isso coloca em risco a vida de pessoas que acabam tendo que se sujeitar a trabalhar correndo riscos eminentes”, lamenta Marthos.

    Esta semana o CREA Paraná retornou aos questionamentos da redação e por isso a pauta volta a ser debatida. O gerente do Departamento de Fiscalização, engenheiro civil Diogo Artur Tocacelli Colella encaminhou nota através da sua assessoria conforme publica-se na íntegra

    MANCHETE DO POVO - A instituição tem cobrado dos órgãos fiscalizadores mais atuação principalmente no que refere a norma NR35 anexos 1 e 2?

    CREA - Sim, temos atuado na prevenção, solicitando que os devidos registros dos cursos de NR-35 prestados por profissionais habilitados sejam apresentadom nas instituições que realizam este tipo de treinamento. Em outubro/2017 (neste período) estamos, inclusive, desenvolvendo Operação de Fiscalização Especializada – OFE, focada neste assunto, para demonstrar para a sociedade a importância da efetiva participação profissional nos trabalhos em altura. Ressaltamos também que recentemente o Crea-PR firmou termo de Cooperação com o Ministério do Trabalho. Com este termo as Câmaras Especializadas, neste caso em especial a Câmara Especializada de Segurança do Trabalho, tem amplificada suas capacidades de atuação – respeitando suas atribuições legais, pois conta com um canal de rápido repasse de denúncias ao Ministério do Trabalho para averiguação de situações específicas.

    MANCHETE DO POVO - O questionamento da reportagem se refere a qual é o papel do CREA quanto à segurança dos trabalhadores em obras e a fiscalização das normas?

    CREA - O Crea-PR tem papel de fiscalizar se os cursos são realizados por profissionais legalmente habilitados e por instituições que possuam o devido registro no Conselho. Com a efetiva participação profissional há a responsabilidade de que a atividade desenvolvida ou ministrada traga para a sociedade a garantia do serviço prestado.

    MANCHETE DO POVO - Qual o comentário que o CREA pode fezer em relação ao problema de falta de fiscalização e acidentes em obras pelo não cumprimento das normas?

    CREA - O Crea-PR não possui atribuição para fiscalização do cumprimento das normas técnicas, cabendo ao Ministério do Trabalho a fiscalização e garantia quanto à realização de treinamento, uso de EPIs e demais especificidades da NR-35. Porém, se evidenciado uma eventual ação indiscriminada antes da efetiva fiscalização, colocando em risco os trabalhadores, o Conselho pode encaminhar denúncia ao órgão competente para medidas necessárias.

    Também no tocante a este assunto, o Crea-PR iniciou apoio aos municípios através do CEIOART (Comitê Estadual de Investigação de Óbitos e Amputações Relacionados ao Trabalho no Paraná) na identificação de obras em andamento, cujo objetivo é a redução do número de acidentes em obras.

    A assessoria do Ministério Público do Trabalho Paraná retornou o contato da redação e está preparando a resposta para os questionamentos da reportagem. Está pauta voltará a ser debatida na próxima edição do jornal MANCHETE DO POVO.

    Por Rodrigo Stutz 

  • Homem cai em fosso de luz de prédio em construção

    Informações repassadas pelo atendente do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Hélio de Oliveira, 65 anos caiu de uma altura de aproximadamente cinco metros em um fosso de luz de um prédio que está sendo construído na Rua Estilac Leal, área central de Rolândia.

    Também esteve no local os socorristas do SIATE (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência). Hélio foi encaminhado para o hospital São Rafael com suspeita de fratura na perna, consciente e sem risco a vida.

    Assista a transmissão feita ao vivo no local

Localização

Rua: Alfredo Moreira Filho
N°: 362
CEP: 86600-003
Rolândia - PR

Mapa

O Jornal

Manchete do Povo - Mais de 3 mil exemplares todos os sábados em mais de 140 pontos da cidade.

Contato

Telefone: (43) 3016 0201

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fale conosco

News Letter

Receba nossas novidades por e-mail

logo-manchete-do-povo-rodape