Alpinista Industrial afirma que falta de fiscalização coloca em risco a vida dos trabalhadores

Alpinista Industrial afirma que falta de fiscalização coloca em risco a vida dos trabalhadores Destaque

Após publicar a matéria na internet sobre acidente com queda de plano elevado (VEJA A MATÉRIA Homem cai em fosso de luz de prédio em construção) um leitor pediu para se pronunciar. Marthos Daniel Carvalho Gamba é Alpinista Industrial cadastrado desde 2015 e atuante na área há 15 anos. Ele aponta para a falta de responsabilidade do empregador, pois afirma que coloca na obra pessoas sem qualificação. “Quem tem qualificação não se coloca em perigo”, afirma.

Ele se refere às normas para utilização de equipamentos de segurança em uma obra. Segundo Marthos é obrigado por LEI seguir uma série de normas para construções acima de 2,5 metros de altura.

Vale pontuar que durante a reportagem foi questionado a três funcionários da obra que garantiram estar usando os equipamentos de segurança. Porém o Marthos afirma que fica evidente o descumprimento das normas. “Só pelo que eu vi na reportagem estava lá uma obra sem uma linha de vida e sem proteção de bordas”, aponta.

Marthos se mostra indignado com a falta de respeito às normas e revela que realizou diversas denúncias ao Ministério do Trabalho responsável pela fiscalização dos canteiros através dos inspetores de obras. “Quando eles vão na obra, aceitam a NR 35 e desconsideram as regras do anexo 1 de acesso por corda”, garante.

A NR-35 (Norma Regulamentadora para Trabalho em Altura), estabelece que os profissionais autorizados que executam atividades de acesso por cordas devem comprovar sua proficiência na atividade, cujo estado de saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto para executar essa atividade e que possua anuência formal da empresa. No anexo 1 considera-se acesso por corda a técnica de progressão utilizando cordas, com outros equipamentos para ascender, descender ou se deslocar horizontalmente, assim como para posicionamento no local de trabalho, normalmente incorporando dois sistemas de segurança fixados de forma independente, um como forma de acesso e o outro como corda de segurança utilizado com cinturão de segurança tipo paraquedista.

Para Marthos mais de 90% das obras com mais de 2,5 metros de altura não atendem às normas, pois atendem apenas parte da NR 35 e não respondem ao anexo 1 que são novas exigências implementadas desde 2015. “Seguir as normas e contratar profissionais qualificados custa caro (...) tem equipamento de pessoas que trabalham nas alturas é uma cadeirinha feita de um pedaço de madeira, um pedaço de corda e 200 metros de corda de bombeiro, isso sai por 400 reais, enquanto que um equipamento básico para acesso por corda (que segue as normas) fica no mínimo 5 mil reais (...) uma pessoa não certificada cobra cerca de 80 reais a diária enquanto um profissional certificado cobra 300 reais”, calcula.

O alerta de Marthos é para que o Ministério Público do Trabalho faça valer a LEI e os empregadores coloquem a mão na consciência, pois para economizar fazem com que pais de família se sujeitem a trabalhar em situações de perigo.

Tanto o CREA quanto o MPT ainda não retornaram aos questionamentos feitos pela reportágem. O CREA Londrina indicou um contato por E-mail do departamento responsável, porém por duas vezes foi tentado contato sem retorno. O MPT não atendeu os telefonemas para o número indicado pelo tribunal do Trabalho de Rolândia. A reportagem ainda continua tentando contato com as duas instituições.

Sobre o Autor

Sou formado em Marketing & Propaganda (2004) e também em Jornalismo (2015) pela Unopar. Trabalho com Comunicação Social há mais de 15 anos e sou  proprietário do Jornal Manchete do Povo.

Itens relacionados (por tag)

  • Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia

    Para quem acompanhou o atendimento se impressionou com a cinemática do acidente. Segundo relatos o veículo Ecosport subia a Av. Presidente Bernardes quando um caminhão que descia a mesma avenida cruzou a frente do carro sentido Rua Willie Davids batendo de frente com o carro.

    O veículo conduzido pelo senhor José Cavalaro, 80 anos, estavam a esposa, de 79 anos e o neto de 12 anos.

    Segundo o socorrista Eder do SIATE (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência), os três foram encaminhados com escoriações leves ao Hospital São Rafael sem risco a vida.

    O motorista do caminhão não quis ser identificado, mas afirmou para o policial, Soldado Carneiro que uma moto teria o fechado forçando ele a entrar na rua e provocando o acidente.

     

    Veja as fotos do acidente: 

    materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 1materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 2materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 3materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 4materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 5materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 6materia manchetedopovo Batida frontal entre caminhão e carro deixa casal de idosos e criança feridos no centro de Rolândia 7

    Fotos Rodrigo Stutz

  • Morreu no hospital criança de oito meses que foi vítima de acidente em Rolândia

    É com pesar que comunicamos o falecimento do bebê Lucas Lorenzo, de apenas oito meses. O pequeno faleceu na madrugada deste sábado (14), no Hospital Universitário (HU) de Londrina. Ele estava junto com a mãe, quando se envolveu em um acidente de trânsito, no último domingo (8), na entrada do jardim José Perazollo, em Rolândia. 

    O corpo será velado na capela da vila-oliveira. (Atualizado às 13:39)

     Reprodução: Portal Rolândia 190

  • Cavalo solto causa acidente grave na BR 369 em Rolândia

    Um cavalo solto na BR-369, quase provocou uma tragédia próximo ao lago do jardim San Fernando, em Rolândia, na noite desta quinta-feira (12). O animal que pastava às margens da rodovia, começou a ir em direção a BR-369, no momento em que um veículo C4 Palace, de cor prata, vinha sentido Arapongas - Rolândia e o motorista não conseguiu evitar o atropelamento. 

    O condutor chegou a parar o veículo para avaliar o estrago, e chegou a afirmar que por sorte ele vinha devagar. O animal ficou agonizando na pista até morrer. São constantes as reclamações sobre animais soltos naquela região, por essa razão é preciso atenção redobrada dos motoristas, principalmente à noite.

    Fonte: Portal Rolândia 190

     






































    Fotos José Carlos Farina 

Localização

Rua: Alfredo Moreira Filho
N°: 362
CEP: 86600-003
Rolândia - PR

Mapa

O Jornal

Manchete do Povo - Mais de 3 mil exemplares todos os sábados em mais de 140 pontos da cidade.

Contato

Telefone: (43) 3016 0201

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fale conosco

News Letter

Receba nossas novidades por e-mail

logo-manchete-do-povo-rodape