Confusão acaba em exoneração em Rolândia

O secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Luiz Antônio Soares, estava diante da pasta desde o dia 25 de janeiro de 2018 e foi exonerado nesta segunda (25) por supostamente ter se envolvido em uma discussão com uma munícipe.

O desentendimento aconteceu com Cristina Pieretti de Souza, ela relata que ao cobrar o secretário sobre os documentos que a Sanepar deveria entregar para a prefeitura, referente à obra de perfuração de poços em Rolândia, Luiz teria tentado postergar a apresentação dos documentos para ela dizendo que a concessionária não tinha apresentado os papéis, e posteriormente que os referidos documentos estariam com o jurídico para análise.

Ao buscar informações com o jurídico, Cristina afirma que foi informada que o responsável sequer sabia destes documentos. Ao retornar na secretaria ela pediu para Luiz mostrar e foi quando a confusão começou.

 

“Na sexta da semana retrasada, dia 14 ele falou para mim que a Sanepar tinha 24 horas para entregar o documento (…) Na segunda [18] não era mais [24 horas] e sim eram cinco dias (…) Na quarta [20] os documentos chegaram e ele chamou eu e a Dora para ver, mas quando chegamos lá ele não podia mais mostrar, porque precisava de um parecer do jurídico (…) Desconfiei, sai dali e fui falar com o Bruno, do jurídico, que disse que era mentira e ligou paro o Luiz na minha frente (…) Fiz o ofício [pedindo os documentos] cheguei na prefeitura e me deram a resposta dizendo que eu tinha que pegar [os documentos] com o Luiz (…) Quando cheguei na secretaria ele já estava nervoso e disse que ia chamar a polícia, eu disse que podia chamar e fiquei esperando.

Segundo Cristina, Luiz se alterou mais ainda, a xingou e tentou ir para cima dela “pegou no meu braço, e o Ricardo tirou ele, chamei a Flávia e ele ficou mais bravo (…) então o Celso disse que eu pedia ir embora (…) E depois fiquei sabendo que ele foi exonerado”.

O ex-secretário, Luiz Antônio Soares relata que os documentos realmente chegaram na quarta (20) à tarde. “Pensei em chamar a Dora que faz parte do Condema [Conselho Municipal de Defesa de Meio Ambiente], porém fui orientado a primeiro analisar os documentos com a secretária de planejamento antes de entregá-los”.

Na quinta e sexta, o ex-secretário afirmou que não foi possível fazer as análises devido a compromissos de trabalho de ambas as pastas.

Já na sexta a tarde ele relata que, ao chegar na secretaria, se deparou com a Cristina portando um requerimento exigindo acesso aos documentos. De pronto foi negado com a explicação de que estes estariam ainda sob análise e após essa fase seriam entregues a ela e ao Condema.

Luiz relata que a partir daí Cristina começou a agredí-lo, humilhando-o com palavras, injúrias, difamação até que teria perdido a paciência e chamado a polícia. “Ela então correu para a prefeitura na sala do Celso Chequim, secretário de administração”.

“Quando cheguei lá, depois de tanto insulto eu bati com a mão em uma cadeira e peguei no braço dela, mas não a agredi”.

A polícia esteve no local e coletou os depoimentos de ambas as partes, e na segunda (25) o secretário foi exonerado.

“Fui humilhado e pisado, e depois fui exonerado por fazer a coisa certa tentando seguir um prazo legal (…) Não tenho contato com o presidente da Sanepar e motivo nenhum para segurar o documento. (…) Eu tenho uma responsabilidade e não posso entregar os documentos que ainda estão sob análise na hora que ela bem entender” finaliza.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.