CP quer prisão preventiva de Francisconi e defesa deve pedir suspeição do relator

Queda de braço entre CP e defesa aumenta, pedido de prisão preventiva deve ser feito contra Francisconi. Por sua vez a defesa pede a suspeição do relator e afirma entrar com medida em desfavor do presidente

A alegação é que a CP está há mais de oito dias sem conseguir localizar o prefeito Luiz Francisconi Neto, para intimá-lo a depor, e por isso estará nesta tarde de quarta (16) oficializando o poder judiciário e também o Ministério Público no sentido de solicitar que um pedido de prisão preventiva seja expedido contra o prefeito afastado.

Advogado de defesa, Anderson Mariano garante que Francisconi não descumpriu nenhuma cautelar e por isso o pedido dos vereadores não tem cabimento e ainda revela que vai pedir a suspeição do relator por descumprir ato da Comissão que diz que somente o presidente pode falar pela CP, “E eu vejo que direto ele está dando entrevista”, destaca.

Os membros da comissão afirmam que desde o dia sete de dezembro de 2018 foi acordado com o advogado de defesa que ele iria depor no dia oito de janeiro de 2019. Porém, no dia marcado Francisconi não apareceu, por mais duas vezes uma nova data foi agendada e novamente sem a presença do prefeito afastado.

ASSISTA A ENTREVISTA

 

Francisconi pode ter pedido de prisão preventiva? Saiba AO VIVO agora em entrevista com a Comissão Processante.

Posted by Manchete do Povo on Wednesday, January 16, 2019

Os vereadores garantem que não está sendo possível localizar Luiz Francisconi Neto para intimá-lo a depor, assim como também não foi possível achar o seu advogado, Anderson Mariano.

Diante deste quadro, os membros da comissão revelaram, em entrevista exclusiva ao MANCHETE DO POVO que estariam encaminhando na tarde desta quarta (16), um oficio ao poder judiciário e ao Ministério Público solicitando para que fosse feito um pedido de prisão preventiva do prefeito.

A alegação é de que, segundo as determinações da justiça o prefeito não poderia se afastar da cidade por mais de oito dias, e que nesta quarta completaria nove dias em que a câmara não consegue localizá-lo, conforme informações passadas pelo presidente da comissão, o Vereador Irineu de Paula, o relator Reginaldo Silva e a membro Edilene Grigio.

A CP (Comissão Processante) tem por objeto investigar supostas irregularidades cometidas pelo prefeito Luiz Francisconi Neto (PSDB). Ele foi afastado das suas atribuições em 1 de setembro de 2018 pelo Ministério Público sob acusação de crimes formação de quadrilha para fraudar licitação e recebimento de propina.

Segundo os vereadores a sessão de votação do relatório final foi adiada e deve acontecer no dia 02 ou 06 de fevereiro ás 17 horas em sessão extraordinária.

A defesa afirma que vai pedir suspensão do relator

O advogado de defesa, Anderson Mariano explica que nesta terça (15) foi protocolada na câmara a solicitação de que o depoimento de Francisconi aconteça no próximo dia 26 ou 27 de janeiro. O prazo final para os trabalhos é dia 10 de fevereiro e por isso o advogado afirma não entender os motivos que levam a comissão querer adiantar tanto os trabalhos prejudicando a defesa do prefeito afastado.

Para Mariano o que estão fazendo é expor de maneira vexatória a figura do prefeito, inclusive espalhando áudio pelas redes sociais afirmando que ele estaria fugido, o que segundo o advogado é mentira. “Ele não está este tempo fora não, pois tive com ele na semana passada, talvez eles [jurídico da câmara] não tenham o encontrado em casa, ele [Francisconi] não é obrigado a ficar em casa aguardando comissão processante”, aponta.

Quanto ao pedido de prisão preventiva, Mariano garante que não tem fundamento, pois Francisconi não descumpriu nenhuma determinação judicial. “Querem ficar dando showzinho para dar entrevista (…) eles estão tentando prejudicar o prefeito nas cautelares dele, vou ver o que posso fazer em desfavor, tanto do Irineu quanto do Reginaldo”, revela.

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.