TC emite sinal de alerta e “cabeças devem rolar” em Rolândia

O Tribunal de Contas do Paraná apontou em dezembro de 2017 para o índice de despesas com pessoal que está em 56,13% do valor arrecadado pelo município de Rolândia. Cerca de 7% acima do permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (101/2002).

Para não sofrer sanções e reduzir o índice, o prefeito Luiz Francisconi Neto publicou neste dia 30 de abril o decreto nº8.881 que suspende o pagamento de licença-prêmio, férias entre outras providências.

Ele anunciou nesta quarta (02) que o objetivo é reduzir o índice para 48% através de medidas já tomadas a partir de agosto. No geral a prefeitura gasta aproximadamente 7 milhões por mês com salários e a expectativa é reduzir cerca de 600 mil por mês neste próximo quadrimestre.

Entre as medidas está a redução de 20% no valor gasto com cargos comissionados, gerando uma economia de 56 mil reais por mês.  Atualmente a prefeitura tem em sua folha cerca de 100 funcionários comissionados e a redução deverá ser feita com a readequação de funções, reenquadramentos e até mesmo através de exonerações.

ASSISTA

Existe a possibilidade de fusão de secretarias, porém o chefe do executivo ainda prefere uma análise mais detalhada das equipes para evitar maiores perdas na qualidade dos serviços públicos prestados à população.

Pressão política

Como em qualquer administração no Brasil, alguns dos cargos comissionados são indicados por partidos aliados e muitas vezes até por parlamentares.

Questionado, o prefeito garantiu que o momento não é de pensar em pressões políticas, mas de alinhar o município para o futuro. Com objetivo de continuar pagando em dia os funcionários e manter as contas estabilizadas.

Francisconi revelou que já esteve reunido com o sindicato dos servidores e também com todos os vereadores no sentido de alinhar as conversas para evitar qualquer tipo de indigestão política devido às possíveis medições de apadrinhados.

Elevação

O executivo já vem sofrendo há algum tempo uma grande e justa pressão dos funcionários da educação que reivindicam a elevação salarial. Um direito concedido por lei que ainda não foi atendido. E grande parte a justificativa vem sendo o índice que não permite essa elevação. Segundo o prefeito, com as medidas de austeridade e a redução do índice a elevação certamente retorna na pauta do executivo em um futuro próximo.

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.