Cavalos soltos nas ruas e uma possível solução

Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente em parceria com representantes da sociedade buscam solucionar o problema de cavalos e até bois soltos pelas ruas e avenidas da cidade de Rolândia

O secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Gilberto São João, juntamente com a diretoria da Vigilância Sanitária esteve com representantes da comunidade equestre de Rolândia e o ex-vereador Maico Dida em uma reunião realizada nesta quarta (13), no setor de Vigilância Sanitária.

Eles apontaram para uma possível solução na qual os criadores se propõem em capturar os animais soltos e colocá-los em um pasto adequado. Dida afirma que eles já têm em vista algumas opções de locais para destinar os cavalos apreendidos e que se dispuseram a recolher estes animais.

A secretaria agora estuda uma forma legal para aprovar essa intervenção de forma que tudo corra dentro das normas. Levamos a proposta para o jurídico da prefeitura que agora vai analisar e apontar a forma correta de agirmos, afirma Gilberto.

Gilberto explica que deverá ser feito algo próximo ao que se faz em Londrina, onde os animais recolhidos ficam por um período no pasto destinado, o proprietário recebe uma multa e tem que pagar pelas diárias. Quando não aparece nenhum responsável, após um período determinado os cavalos são doados para pequenos agricultores enquadrados na agricultura familiar.

O ex-vereador cita a emenda de LEI Complementar nº 117 aprovada em 2015 que em seu “Art. 195, parágrafo único garante que: O Município poderá realizar convênios com outras entidades públicas ou privadas para o fim de recolher e guardar os animais encontrados nas ruas, praças, estradas ou caminhos públicos.” Porém, a vigilância Sanitária sempre alegou não ter estrutura necessária para fazer essa ação.

Enquanto uma solução concreta ainda não acontece a população continua correndo riscos nas ruas como é o caso do Douglas Cesar Benevides Radetzki. Ele relata que em dezembro do ano passado trafegava com sua motocicleta pela Av. Júlio Braz Damasceno, no Jd. Perazolo quando um cavalo veio cruzou a sua frente.

Douglas machucou o braço e teve que ficar quatro meses sem poder trabalhar, além de ter gastado quase mil reais entre o concerto da moto e seções de fisioterapia. O dono do cavalo foi localizado, mas segundo Douglas se negou a prestar qualquer tipo de ajuda.

Dida 9655-9675

Acidente Douglas 9619-5779 –  9673-9206

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.