Precisamos Falar Sobre: Obesidade Infantil

A Nutricionista do Hospital São Rafael, Melissa Feltrin, explica que a obesidade infantil ocorre quando uma criança está acima do peso normal para sua idade e altura. A profissional também fala sobre a mudança de vida das famílias, que é um fator determinante no aumento da obesidade infantil. Antes, as crianças tinham mais liberdade e ficavam menos tempo dentro de casa, praticavam mais atividades ao ar livre afirma.

Porém, com a chegada intensa da tecnologia, bem como a questão da segurança onde os pais tem um receio maior de deixarem os filhos fora de casa, fez com que as crianças passassem mais tempo sem praticar qualquer atividade física, apenas no ambiente interno das residências, afirma Melissa. Ainda de acordo com o IBGE, atualmente uma em cada três crianças no Brasil está pesando mais do que deveria.

Além do sedentarismo, diversos outros fatores podem causar obesidade infantil. Entre as mais comuns estão fatores genéticos, má alimentação, ou uma combinação desses fatores. Segundo a nutricionista, a obesidade em crianças também pode ser decorrente de alguma condição médica, como doenças hormonais ou uso de medicamentos à base de corticoides.

Segundo a Nutricionista, a obesidade infantil também pode desencadear em doenças, um tanto quanto graves. Colesterol alto, é algo que raramente acontecia com as crianças, e hoje há casos recorrentes. Com isso, existe também um risco de ocorrer problemas no coração explica.

Conforme explicado por melissa, se os pais já tem alguma preocupação com o peso do filho ou filha, é imprescindível que se busque um auxilio médica. Os especialistas que podem diagnosticar e tratar obesidade infantil são: Pediatras, Endocrinologistas, Nutrólogos e Nutricionistas.

Como prevenção, é importante que os adultos sejam acima de tudo, um exemplo para os filhos. Para fazer com que seu filho se alimente bem e pratique exercícios, os pais, também precisam fazer o mesmo afirma Melissa.

Outras indicações de prevenção:

  • Ofereça frutas, ao invés de produtos industrializados (salgadinhos, doces, etc.);
  • Caminhadas ao final do dia, fazer das atividades diárias, um modo de praticar exercícios;
  • Disponibilizar produtos mais naturais (legumes e verduras) sempre ter algum alimento saudável na mesa;
  • Trabalhar com trocas e negociações: Doces/Refrigerantes/Industrializados só ao fim de semana / Comendo algo saudável depois no dia negociado pode comer algo diferente;
  • Mostrar que comida saudável é boa, trabalhar modos diferenciados de oferecer estes alimentos.

Tenha atenção também com a perda de peso

Melissa ressalta que crianças e adolescentes estão em uma constante evolução, e em fases de crescimento, por isso a perda de peso exagerada, não é algo ideal. O ideal é que a criança continue crescendo e mantendo o peso normal. Se restringir muito, isso leva a desnutrição afirma. Ainda segundo a profissional, existem casos de pacientes com sobrepeso, obesidade, e ainda sim, desnutridos. Isso ocorre porque a alimentação não é rica em nutrientes, e isso faz com que a pessoa ganhe peso, mas se mantenha desnutrida.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO HSR

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.